Skip to content

Dólar opera em queda de olho em dados de inflação dos EUA

Compartilhe esse post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp

CÂMBIO NEWS – RESUMO DIÁRIO DE NOTICIAS SOBRE O MERCADO DE CÂMBIO – 10/06/2021

dólar opera em queda nesta quinta-feira (10), antes da divulgação de dados de inflação dos EUA.

Às 9h02, a moeda norte-americana caí 0,33%, a R$ 5,0518. Veja mais cotações.

Na quarta-feira, o dólar fechou em alta de 0,67%, a R$ 5,0687. Com o resultado, as moedas norte-americanas acumulam recuo de 2,98% no mês e de 2,28% no ano.

O Banco Central fará neste pregão leilão de swap tradicional para rolagem de até 15 mil contratos com vencimento em dezembro de 2021 e março de 2022.

Fonte: TradingView

Fique pode dentro das 5 principais notícias do mercado desta Quinta Feira

1. Inflação aqui

Após o IBGE divulgar uma inflação acumulada no Brasil de 8,06% nos últimos doze meses, acima das expectativas do mercado, o secretário de Política Econômica do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida, reconhece que o país enfrenta um cenário desafiador em termos inflacionários, afirmando ser provável que a inflação registre um pico nos meses de junho e julho.

Em participação em evento remoto promovido pelo Brazil-Florida Business Council, Sachsida afirmou que o ministério tem trabalhado fortemente para trazer a inflação de volta à meta estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) para 2021 ao fim do ano.

“No momento, temos alguns problemas com a inflação, eu entendo, e provavelmente a inflação atingirá o pico em junho e julho. No entanto, estamos trabalhando muito para que fique dentro da meta até o final do ano”, disse o secretário.

LEIA MAIS: IPCA dispara e tem maior alta para maio em 25 anos, taxa em 12 meses supera 8%

2. E inflação lá

Enquanto isso, o dado mais esperado pelos investidores do mundo inteiro finalmente sairá às 9h30, horário de Brasília. A expectativa é que a inflação medida pelo índice de preços ao consumidor dos EUA, divulgada pelo Departamento do Trabalho do país, mostre uma aceleração de 0,4% em maio, empurrando a inflação anual acima dos 4,2% de abril, já a mais alta em mais de uma década, para 4,7%.

A divulgação será uma das principais antes da próxima reunião de política monetária do Fed, de 15 a 16 de junho.

Os preços ao consumidor estão subindo rapidamente com a reabertura da economia após a pandemia. “Provavelmente teremos outro choque inflacionário em junho”, disseram analistas do Nordea, em uma relatório, “mas a questão é se o mercado vai explicá-lo como um efeito transitório”.

Além disso, também será divulgado o número de americanos que entraram com novos pedidos de seguro-desemprego na semana encerrada em 5 de junho. A expectativa é de uma queda de 15.000, para 370.000.

As ações dos EUA permaneceram praticamente inalteradas no pré-mercado, continuando as negociações apáticas da semana, com os investidores aguardando cautelosamente a inflação americana.

Às 9h00, os futuros do Dow Jones e do S&P 500 subiam respectivamente 0,14% e 0,01%, enquanto os do Nasdaq 100 recuavam 0,32%.

CONFIRA: Cotação dos principais índices futuros globais

3. Reunião de política do BCE

O Banco Central Europeu concluiu hoje a última reunião de política monetária, em que manteve a compra de títulos em níveis elevados e um fluxo generoso de estímulos para sustentar a recuperação fraca da economia.

A presidente do BCE, Christine Lagarde, afirmou recentemente que é “muito cedo” para discutir a redução gradual do programa de compras de emergência da pandemia de 1,85 trilhão de euros do banco, sugerindo que qualquer discussão sobre a redução gradual nesta reunião seria curta. Principalmente porque foi apenas no final de março que o banco central acelerou o programa de compra de títulos para manter os custos dos empréstimos sob controle.

No entanto, um diálogo completo e franco terá que acontecer em breve, dado o pano de fundo de uma economia ressurgente alimentada por taxas de vacinação mais altas e infecções em queda. Juntamente com isso, é provável que o BCE aumente a maioria, senão todas as suas previsões de crescimento e inflação ainda hoje.

4. Bitcoin impulsionado por El Salvador

Bitcoin, a maior criptomoeda do mundo por capitalização de mercado, continuou a subir na quinta-feira, aumentando os ganhos substanciais de quarta depois que El Salvador se tornou o primeiro país a adotar a moeda digital como moeda corrente.

Às 9h02, o Bitcoin era negociado em alta de 8,01%, a US$ 37.836, após um salto de 13% na quarta-feira.

A decisão do país significa que os preços agora podem ser mostrados em Bitcoin, as contribuições fiscais podem ser pagas com a moeda digital e as trocas não estarão sujeitas ao imposto sobre ganhos de capital.

Os defensores da criptomoeda há muito o veem como uma alternativa viável às moedas fiduciárias, e isso sem dúvida dará a essa visão alguma credibilidade.

Dito isso, resta saber se a moeda digital pode sair da faixa de US$ 30.000 a US$ 40.000 que está em vigor desde o colapso de um recorde de quase US$ 65.000 em abril.

Pesando na moeda digital estão as críticas do influente empresário Elon Musk às necessidades de energia exigidas para explorá-la, bem como uma repressão regulatória chinesa.

CONFIRA: Cotação de mais de 5 mil criptomoedas

5. Maiores estoques de gasolina nos EUA diminuem o otimismo com petróleo

Os preços do petróleo bruto ficaram praticamente inalterados na quinta, lutando para adicionar mais ganhos depois que os crescentes estoques de gasolina dos EUA cortaram o otimismo para o aumento da demanda nos EUA.

Por volta das 9h02, os preços do petróleo WTI subiram 0,1% para US$ 70,04 o barril, após no início desta semana fecharem acima da marca de US$ 70 pela primeira vez desde outubro de 2018. Já o Brent avançou 0,25% para US$ 72,40, logo abaixo do nível mais alto desde maio de 2019.

Na quarta-feira, os dados de abastecimento de petróleo bruto dos EUA mostraram uma queda, pela terceira semana consecutiva, de pouco mais de 5 milhões de barris para a semana encerrada em 4 de junho.

No entanto, os estoques de gasolina dos EUA tiveram a maior alta desde abril de 2020, aumentando em mais de 7 milhões de barris para um segundo ganho semanal, sugerindo uma demanda de combustível mais fraca do que o esperado no início do verão.

https://br.investing.com/news/stock-market-news/fique-por-dentro-das-5-principais-noticias-do-mercado-desta-quintafeira-879009

https://g1.globo.com/economia/noticia/2021/06/10/dolar.ghtml

Siga nossas redes

Veja mais

Exchange

Dólar sobe forte e opera acima de R$ 5,30

CÂMBIO NEWS – RESUMO DIÁRIO DE NOTICIAS SOBRE O MERCADO DE CÂMBIO – 20/09/2021 O dólar opera em forte alta nesta segunda-feira (20), na entrada em