Skip to content

Dólar abre a semana em alta, após cair para perto de R$ 5

Compartilhe esse post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp

CÂMBIO NEWS – RESUMO DIÁRIO DE NOTICIAS SOBRE O MERCADO DE CÂMBIO – 07/06/2021

dólar abriu em alta nesta segunda-feira (7), após ter recuado na semana passada para mínima em quase 1 ano.

Às 9h19, a moeda norte-americana subia 0,34%, vendida a R$ 5,0512. Veja mais cotações.

Na sexta-feira, a moeda norte-americana fechou em queda de 0,98%, cotada a R$ 5,0341 – menor patamar desde 10 de junho de 2020 (R$ 4,9334).

Na parcial do mês, acumula recuo de 3,64%. No ano, o dólar tem queda de 2,95% frente ao real.

Fonte: TradingView

Fique pode dentro das 5 principais notícias do mercado desta Segunda Feira

1. CPI, Copa América e crise hídrica em foco após máximas do Ibovespa

Ibovespa registrou, na semana passada, novas máximas históricas. Na sexta-feira, o principal índice da bolsa de valores brasileira fechou aos 130.125 pontos.

Nesta semana, além dos movimentos do principal índice acionário brasileiro, o foco dos investidores deve estar nos desenvolvimentos da CPI da Covid, da Copa América e da crise hídrica, mesmo após a ONS declarar que que as medidas preventivas que adotou vão garantir o abastecimento de energia no Brasil neste ano.

No calendário econômico, a semana será marcada pela divulgação dos dados de vendas no varejo em abril, na terça-feira; IPCA, na quarta-feira; e crescimento do setor de serviços em abril, na sexta-feira.

O Brasil registrou no domingo 873 novas mortes em decorrência da Covid-19, o que eleva o total de vítimas fatais da doença no país a 473.404, informou o Ministério da Saúde. Também foram contabilizados, de acordo com a pasta, 39.637 novos casos de coronavírus, com o total de infecções no país avançando para 16.947.062.

Nessa frente, é alvo de debates a adoção, pela Anvisa, de um meio termo para liberar a importação das vacinas Sputnik e Covaxin. Por meio da aprovação, o Brasil deve ser capaz de levantar informações de eficácia e qualidade que, até agora, os laboratórios não forneceram.

2. Acordo tributário do G-7

O G-7 concordou, no fim de semana, em uma taxa mínima de imposto corporativo global de pelo menos 15% como parte de um acordo mais amplo sobre como tributar empresas multinacionais como Amazon (NASDAQ:AMZN) (SA:AMZO34) e Google (NASDAQ:GOOGL) (SA:GOGL34).

“As sete nações industrializadas mais importantes hoje apoiaram o conceito de tributação mínima para empresas. Isso é uma notícia muito boa para a justiça fiscal e uma má notícia para os paraísos fiscais em todo o mundo”, disse o ministro das Finanças alemão, Olaf Scholz.

Este acordo histórico, em andamento há oito anos, marca um grande passo na reescrita de um sistema global que muitos disseram permitir que grandes empresas economizem bilhões de dólares em contas fiscais mudando jurisdições. O acordo abre caminho para taxas sobre as multinacionais em países onde elas ganham dinheiro, em vez de apenas onde estão sediadas.

“Há uma série de empresas multinacionais americanas de grande porte que acabarão pagando mais impostos em países ao redor do mundo, onde talvez no momento não seja o caso”, disse o secretário-geral da OCDE, Mathias Cormann, em entrevista à rádio BBC.

De acordo com o comunicado após a reunião de Londres, os países onde operam grandes empresas teriam o direito de tributar “pelo menos 20%” dos lucros superiores a uma margem de 10%. Isso se aplicaria às “maiores e mais lucrativas empresas multinacionais”.

No entanto, é improvável que essas empresas multinacionais sofram grandes golpes nos preços de suas ações na segunda-feira, pois ainda há muitos obstáculos a serem vencidos antes que este acordo entre em vigor.

O foco agora mudará para uma reunião de julho dos ministros das finanças do G-20 na Itália, bem como para as conversas de longa data entre cerca de 140 países na Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico.

Além disso, a margem de 10% pode descartar a Amazon, que tem margens de lucro menores do que a maioria das empresas de tecnologia. A secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, disse que esperava que a gigante do comércio eletrônico fosse incluída, algo com que Cormann da OCDE concordou.

No entanto, isso ilustrou dificuldade de colocar números reais em amplo acordo, e os detalhes finais ainda precisam ser apresentados a um Congresso, profundamente dividido, para aprovação.

3. Ações se consolidam perto de níveis recordes

As ações dos EUA devem abrir ligeiramente mais baixas na segunda-feira, consolidando-se perto de níveis recordes após outra semana positiva.

Às 9h (horário de Brasília), os futuros do Dow Jones subiam 48 pontos, ou 0,1%, o S&P 500 futuros operava estável e os futuros do Nasdaq 100 caíam 0,1%.

Os principais índices fecharam em alta na sexta-feira, depois que o último relatório de empregos mostrou que 559.000 empregos não agrícolas foram adicionados em maio. Isso foi um pouco menos do que o esperado, aliviando a pressão sobre o Federal Reserve para conter suas políticas monetárias flexíveis, embora ainda apontando para uma economia em recuperação.

índice S&P 500 está a apenas 0,2% de seu recorde intradiário estabelecido em maio, e subiu 0,6% na semana passada, levando seus ganhos de 2021 para mais de 12%. O Dow Jones Industrial Average e o NASDAQ Composite também registraram ganhos na semana passada, e também subiram 13% e 7% este ano, respectivamente.

A lista de dados econômicos está em grande parte vazia na segunda-feira, e o foco principal será na divulgação da inflação na quinta-feira para pistas sobre o pensamento do Federal Reserve.

Nas notícias corporativas, os gigantes da tecnologia mal pestanejaram com a notícia de um acordo tributário do G-7, com a Amazon anunciando planos para contratar 3.000 novos funcionários com contratos permanentes neste ano na Itália como parte de seu objetivo de aumentar seus investimentos no país.

As chamadas “ações meme” provavelmente estarão em foco na segunda-feira, após GameStop (NYSE:GME), AMC Entertainment (NYSE:AMC) e BlackBerry (NYSE:BB) fecharem a sexta-feira no vermelho, apesar dos ganhos massivos nas negociações voláteis ao longo da semana.

4. Inflação no centro das atenções

O mercado se concentrou na semana passada no mercado de trabalho dos EUA – esta semana é a vez da inflação ganhar os holofotes.

Todos os olhos estarão voltados para os dados do IPC de maio, com divulgação na quinta-feira, depois que uma inflação muito mais forte do que o esperado gerou uma liquidação no mês passado, já que pressões de preços crescentes podem forçar o Fed a começar a desenrolar o estímulo mais cedo do que o previsto.

O número anual do IPC subiu para 4,2% em abril, a maior alta desde setembro de 2008, com a recuperação econômica dos EUA acelerando e os preços da energia subindo. Espera-se que os dados de maio mostrem outro aumento substancial, de 4,7% no ano.

A secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, acrescentou outro ponto de discussão no fim de semana quando disse que o plano de gastos de US$ 4 trilhões do presidente Joe Biden seria bom para os EUA, mesmo que contribua para o aumento da inflação e resulte em taxas de juros mais altas.

“Há uma década lutamos contra a inflação que está muito baixa e as taxas de juros muito baixas”, disse Yellen, em entrevista ao Bloomberg News. “Queremos que eles voltem a um ambiente normal de taxa de juros e, se isso ajudar um pouco a aliviar as coisas, não é uma coisa ruim – é uma coisa boa.”

A leitura da inflação é um dos últimos dados econômicos importantes antes da próxima reunião do Fed em 15 e 16 de junho, e as autoridades do banco estarão em seu tradicional período de silêncio durante a próxima semana antes dessa reunião.

5. Petróleo perde força antes das negociações do Irã

Os preços do petróleo bruto perdiam força na segunda-feira, caindo de novas máximas de vários anos, conforme os investidores realizavam lucros antes do reinício das negociações entre o Irã e as potências mundiais no final da semana sobre um acordo nuclear.

Às 9h, o petróleo dos EUA caía 0,2%, para US$ 69,46 o barril, depois de tocar anteriormente US$ 70 pela primeira vez desde outubro de 2018. O Brent caía 0,3%, para US$ 71,67, após atingir US$ 72,26, a máxima desde maio de 2019.

Uma queda anual de 14,6% nas importações de petróleo bruto da China em maio, como visto em dados divulgados na segunda-feira, pesou sobre os preços, mas a maioria dos investidores está se concentrando na nova rodada de negociações entre o Irã e potências globais em Viena sobre um acordo nuclear, a partir de quinta-feira.

Uma conclusão bem-sucedida poderia incluir o levantamento de sanções econômicas por Washington sobre as exportações de petróleo iraniano, resultando potencialmente em 500.000 a 1 milhão de barris de petróleo por dia reentrando no mercado global.

Houve rumores positivos provenientes de fontes europeias sobre um acordo que está sendo fechado nesta semana. Mas já ouvimos isso antes e muitas das decisões mais difíceis ainda estão por vir, especialmente porque o relacionamento mais tenso é entre os EUA e o Irã, não as potências europeias.

Ainda assim, os preços do petróleo saltaram mais de 40% este ano devido à recuperação da demanda nos EUA, na Europa e na China, à medida que os governos suspendem as restrições da Covid-19, mesmo com os principais produtores de petróleo, um grupo conhecido como Opep+, adicionando gradualmente mais oferta ao mercado .

“A força do mercado na semana passada veio apesar do ruído dos produtores de petróleo russos de que eles esperavam que a Opep+ concordasse em aumentar ainda mais a produção quando se reunissem em julho”, disseram analistas do ING, em nota. “É evidente que o mercado continua focado nos indicadores de demanda, que continuam melhorando.”

https://br.investing.com/news/economy/fique-por-dentro-das-5-principais-noticias-do-mercado-desta-segundafeira-877329

https://g1.globo.com/economia/noticia/2021/06/07/dolar.ghtml

Siga nossas redes

Veja mais

Exchange

Dólar sobe forte e opera acima de R$ 5,30

CÂMBIO NEWS – RESUMO DIÁRIO DE NOTICIAS SOBRE O MERCADO DE CÂMBIO – 20/09/2021 O dólar opera em forte alta nesta segunda-feira (20), na entrada em